Autor
Samuel Beckett

Encenação
Vasco Lavado

Concepção Plástica
Álvaro Figueiredo e Mauro Corage

Concepção Musical
Mauro Corage e Vasco Lavado

Concepção Gráfica e Vídeo
Álvaro Figueiredo

Interpretação
Fátima Encarnado e Vasco Lavado

Operação de Som
Mauro Corage

Sinopse
Esta é a história de uma mulher, Winnie. Winnie, a loquaz. Winnie está enterrada até à cintura. É neste tempo que Winnie seduz um homem. O homem é Willie, o silencioso. Neste jogo de sedução, Winnie recorre a um discurso eloquente e patético, carregado de antíteses, sobre a ilusão da sua vida quotidiana numa relação ritualizada com os seus objectos. Winnie cria o seu mundo e no seu mundo vive a sua condição; encontra a sua felicidade na vida. É nesse seu mundo que Winnie suporta o tédio dos tempos.

Autor
Romancista e dramaturgo irlandês, Samuel Barclay Beckett nasceu a 13 de abril de 1906 na cidade de Dublin. Estudou na Portora Royal School antes de ingressar no Trinity College da sua terra natal. Após ter conseguido o bacharelato em Estudos Franceses e Italianos, no ano de 1927, Beckett começou a trabalhar como professor em Belfast. Em 1930 Beckett estreou-se como poeta, ao publicar Whoroscope. No ano seguinte reuniu uma colectânea de ensaios com o título Proust (1931).

Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, Samuel Beckett partiu da Irlanda para a França, para se juntar às fileiras da Resistência. Procurado pelos Nazis, foi obrigado a fugir para o Sul do país. Trabalhando como lavrador, Beckett continuou a escrever, elaborando o manuscrito do seu segundo romance, que veio a ser publicado em 1953 com o título Watt. Finda a guerra, Beckett passou a escrever em francês, publicando uma trilogia narrativa composta por Molloy (1951), Malone Meurt (1951) e L’Innommable (1953), e as suas peças de teatro mais famosas, En Attendant Godot (1952), Fin De Partie (1957) e Oh Les Beaux Jours (1961). Estas obras consagraram Beckett como um dos nomes mais proeminentes do teatro do absurdo, lidando com temas complexos e existencialistas como a desilusão, o sofrimento e o absurdo da condição humana. Em Beckett, a ironia amarga resulta de um violento contraste entre a esperança que o homem coloca na sua existência e o que realmente obtém dela.

Beckett foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1969. Faleceu em 1989.

Duração
Aprox. 2h

Classificação etária
+12 anos

Data de Estreia
20 de Novembro de 2015, Cais 27 – Vila Franca de Xira

Produção
Teatro do Zero, 14ª Produção